Impacto da esquizofrenia no indivíduo

Impacto da esquizofrenia no indivíduo

A esquizofrenia acarreta mudanças em todos os aspetos da vida do paciente. A doença prejudica significativamente a capacidade do indivíduo de participar da vida familiar, social e das atividades diárias, assim como a sua capacidade de trabalho. Contudo, é importante termos a consciência de que a gravidade, o tipo de sintomas e a expressão da doença diferem muito de pessoa para pessoa.

Quando os sintomas regridem, o ambiente onde o paciente se insere continua a vê-lo como doente, o que acrescenta uma carga adicional à já reduzida dinâmica social.

Existe medicação contínua, para a qual o paciente não vê, muitas vezes, necessidade e que pode ter efeitos secundários desagradáveis.

Além disso, a pessoa com esquizofrenia pode ter outros problemas de saúde mental, como depressão, ansiedade e abuso de substâncias, em especial do tabaco. 

A saúde física também é afetada com frequência em pacientes esquizofrénicos.

Trata-se da perturbação mental que detém o potencial de estigmatização mais intenso. Há preconceitos relacionados com a esquizofrenia e que causam atraso ou recusa do tratamento. O estigma da esquizofrenia não está associado apenas ao paciente, mas também à sua família. O estigma é a razão pela qual é muito mais difícil para o paciente manter relações sociais e postos de trabalho, sendo que permanece sempre sob a foco da objetiva, mesmo quando não há sintomas significativos.